quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

O Arroto! V de Vingança Virou Vômito de Verme!

por
Corto de Malta

Ou como os Irmãos Wachowski e James MacTeigue estupraram uma ideologia e deram a luz um filme bastardo...
"Acho que o cinema na sua forma atual é muito prepotente. Ele nos dá comida na boca, o que dilui nossa imaginação cultural coletiva. É como se fôssemos passarinhos recém-saídos dos ovos olhando pra cima, com nossas bocas bem abertas, esperando que Hollywood nos alimente com um vômito de vermes. Eu, pelo menos, cansei de vermes."

Essa declaração nada amistosa foi feita pelo escritor britânico Alan Moore, autor de algumas das obras em quadrinhos mais aclamadas que deram origem a algumas das adaptações mais detestáveis pro Cinema. Uma delas foi V de Vingança.

Quando eu era adolescente caiu nas minhas mãos as primeiras edições da minissérie e me lembro de ter ficado bastante impressionado com os traços do David Loyd, o visual do V e principalmente com a atmosfera sufocante de filme de terror que impregna o mistério da história. Infelizmente, não consegui todos os fascículos, mas lembro exatamente onde parei na época: na carta da Valerie.

Tempos depois, eu já devia ter uns vinte e poucos anos e V de Vingança não era mais uma história que me impressionasse, eu já conseguia delinear melhor os meandros políticos por trás de tudo aquilo que tinha lido, e sacar todas as referências, como ao livro 1984, de onde o quadrinho pegou a idéia de um Estado opressor que vigia e controla tudo o que fazem seus cidadãos. Foi nesse contexto que encontrei o encadernado com a minissérie completa, já sabendo que aquilo era uma resposta ao governo da Margareth Thatcher, e muito descrente quanto as intenções de obras políticas manipuladoras, para o bem ou para o mal.  E quando terminei de ler tudo... Alan Moore conseguiu me derrubar lá do alto da minha arrogância. E eu pude comprovar que V de Vingança era muito mais do que parecia a princípio.


Então, um dia estava eu na casa de amigos vendo DVD. Após uma sessão frustrada de O Incrível Exército de Brancaleone, que nenhuma das outras pessoas conseguiu ver até o fim (sim, eu tenho vergonha deles). Daí puseram a adaptação cinematográfica da Graphic Novel, que eu tinha muita vontade de ver. Fazia tempo que tinha lido a HQ, então não pude perceber todas as mudanças direito. E a sessão foi um sucesso. A galera curtiu o massa véio do filme produzido pelos Irmãos Wachowski e dirigido James MacTeigue com Natalie Portman como Evey e Hugo Weaving como V... e elogiou muito a "profundidade" da história.

O pior: eu também gostei! Mas me lembro de ter pensado: "Peraí, os mesmos caras que não conseguiram assistir uma comédia rasgada como O Incrível Exército de Brancaleone, vibraram com o V de Vingança... o mesmo V de Vingança denso e complexo, que tanto marcou minha juventude? V virou pop? Tem algo muito errado aí!"
E tinha mesmo... Numa análise mais minuciosa é que vemos o quê Andy e Larry Wachowski e seu estagiário, MacTeigue, fizeram a obra-prima de Alan Moore.
"Para mim, é muito mais importante a integridade do meu trabalho. Não quero que as pessoas confundam essa bobagem de Hollywood com algo que escrevi. E, infelizmente, os filmes são uma forma de cultura tão proeminente que a maioria das pessoas não vai se importar em ler os livros." Alan Moore
Veja bem. Não estou reclamando das adaptações que mexem apenas no superficial. Não tenho problema algum nas habilidades marciais do V terem sido amplificadas a ponto dele parecer um herói da Marvel ou  o Neo dentro da Matrix ou ficar estabelecido que V era um homem e que foi queimado ou deformado durante as experiências que fizeram com ele no campo de concentração. Nada disso fica claro na HQ, mas isso não importa!


Isso porque o que eles transformaram foi a essência. Parece que se nortearam pelo seguinte: o mundo é dividido entre ser liberal, revolucionário e certo... ou ser conservador, careta e errado. Mas, como diria o astro de outra HQ de Moore (também porcamente adaptada)... vamos por partes, salientando as diferenças cruciais entre a Graphic Novel e o longa metragem:

- Nunca houve conspiração para o Chanceler (vivido por John Hurt no filme) assumir o poder. Alan Moore queria mostrar que um futuro de guerra nuclear, atentados terroristas e choque de etnias pode ser a desculpa pra um governo opressor e se inspirou numa lei real, que a Margareth Thatcher queria aprovar, enviando negros, homossexuais e outras minorias pra campos de concentração. O filme mostra essas coisas como um evento atípico. Parece mais inspirado na teoria da conspiração de que o próprio George Bush comandou o Ataque Terrorista de 11 de Setembro, algo que NÃO CABE NESTE ENREDO, pois mostra o povo iludido e vítima de forças terríveis, quando na verdade (assim como aconteceu na vida real na Alemanha Nazista) as minorias e a própria liberdade são destruídas na frente de todos todo dia, tornando a população vítima de si mesma.


- A personagem da Natalie Portman não é nem nunca foi uma mulher inteligente. Ela era uma pobre coitada que estava iniciando na prostituição e foi usada pelo V para sua causa; Na opinião do V ele estava salvando ela, mas essa não é a opinião declarada da obra. Alan Moore jamais teve vergonha de dizer que V fez lavagem cerebral em Evey. Em momento algum V chora ou Evey o repreende como no filme. Tanto que na HQ, ao invés de um romance, Evey inicialmente pensava que V fosse seu pai.


- Aliás, as mulheres são vilipendiadas na adaptação. Apesar de terem dado mais personalidade à Evey cortaram a história de duas mulheres de membros do partido: Helen, que traía o marido Conrad com um dos homens do Dedo, Ally, ao mesmo tempo em que tramava a morte do Chanceler pra fazê-lo ser substituído por seu cônjuge fazendo com que ela mesma ascendesse ao poder; e Rosemary, que pra alguns era a melhor personagem da HQ, que era espancada pelo marido Derek, retratando sob uma ótica pessoal a vida de uma pessoa num regime autoritário sem chance de fuga.
 Desse povo todo, só o Conrad aparece em uma cena numa reunião. Mas pior fizeram com a cientista Délia.

- Delia, que usava o paciente da cela V e os demais prisioneiros de Larkhill como cobaias tinha um caso com o Detetive Finch na HQ. Tudo bem cortar isso, mas precisava tirar grande parte da humanidade da personagem? No filme ela é mostrada como um monstro a mando do governo que se arrependeu tarde demais e não merece clemência. Curiosamente, O PRÓPRIO V DISCORDA DISSO! O filme cortou uma das mais brilhantes passagens da HQ, aonde V diz que injetou o veneno nela enquanto estava dormindo e que ela não sofreria. E ela ainda pede pra ver o rosto dele. E V, PELA PRIMEIRA E ÚNICA VEZ, TIRA A MÁSCARA, fazendo a cientista em prantos dizer que seu rosto era lindo... 
Tipo, ela era vilã. Pronto e acabado.

- Outra das melhores cenas (senão a melhor cena), covardemente ocultada no filme, é quando V faz uma "pegadinha" com o Chanceler. No original todos os departamentos que monitoram o povo (O Dedo, O Olho, O Ouvido) são controlados por um computador chamado Destino... que vem a ser o único com quem o inalcançável Chanceler estabelece alguma conexão emocional. Sabendo que o "vilão" confiava tanto assim no computador Destino, V faz surgir na tela uma mensagem do nada escrita... EU TE AMO.  Após momentos aturdido, o até então inabalável e solitário todo-poderoso sussurra baixinho: "Eu também te amo."
Mas no filme, pra quê mostrar isso, né? O cara é mal, frio e insensível. Ponto.

- O apresentador de tv que acolhe a Evie na HQ era um tarado heterossexual que a tornou sua amante pra acolhê-la. O filme o transformou num homossexual bonzinho e erudito, que guardava até uma rara cópia do Alcorão escondida, tanto que só no filme é que ele é assassinado pelo governo e aquela palhaçada no programa de TV nos é poupada na Graphic Novel. Por que a mudança de personalidade, índole e até orientação sexual?
Porque ele era oposição ué!


 - A carta da Valerie virou uma coisa odiosa, tamanha a mudança. Cortaram a parte onde ela conta que foi denunciada por sua amante lésbica que, sob tortura, a acusou de seduzi-la. Mesmo com a Valerie dizendo que a perdoava. 
Por quê? Elas eram oprimidas e boazinhas. Ponto.

- E nem adianta dizer que não incluíram isso por falta de espaço já que acrescentaram um discurso ENORME e ABSURDO sobre o que é integridade, o que DISTORCE toda a proposta da carta!
Nunca, jamais, em hipótese alguma a palavra integridade é pronunciada. Quando eu leio na HQ "Cada centímetro de mim morrerá aqui, menos um" eu sei que ela está se referindo à integridade, mas você que está lendo também pode pensar diferente.
Isso é liberdade.
Isso é o que o verdadeiro
V defende!

- Finch nunca, jamais, em hipótese alguma, fica contra o governo, mesmo quando discorda de seus superiores. Ele começa e termina conservador! TANTO QUE NA HQ ELE É QUEM MATA V!
Colocar ele ao lado de V e Evey no fim foi ofender a minha inteligência! É uma cena bonita, mas burra. Porque assim como na vida real muitos ainda são assim. Só ver os brasileros que falam que gostariam que a ditadura voltasse. O curioso é que cortaram toda a cena aonde Finch vai ao Campo de Concentração de Larkhill e, através do uso de drogas, ele passa a ter a mesma visão que V teve ao fugir de lá.
Ou seja, transformaram Finch num liberal... mas um liberal politicamente correto.

- No discurso de V na Televisão há um sintoma grave dos erros do filme: Em vez de dizer pra se levantarem contra o governo e ameaçar um ataque terrorista,  no original V diz que já é hora das pessoas pensarem por si mesmas.
 Sem comentários pra uma alteração tão grotesca.

- Mas talvez o maior erro de todos foi transformar um anarquista num comunista. Sim, V de Vingança é um filme comunista baseado numa HQ anarquista, por mais inacreditável que isso possa soar. Ao contrário do que o estagiário dos Irmãos Wachachá possa pensar, anarquismo é tão vertente do comunismo quanto do capitalismo. 
Ou seja, nada!

- Pra muitos a cena mais marcante da HQ é o discurso de V em frente à Estátua da Justiça. Na verdade, seria mais um diálogo onde ele diz que não amava mais a Justiça pois ela o traiu e, então, ele arranjou uma nova amante: a Anarquia. 
Não só cortaram esta cena. Cortaram toda e qualquer menção à palavra anarquia do filme. Inacreditável.

- No fim da HQ, após a morte de V (cortaram também a parte em que ele explica porque queria morrer daquele jeito que é uma das mais lindas cenas da trama) Evey veste sua máscara e se mostra ao povo para assegurar-lhes que ele, como sua causa, era imortal. Então Finch sai às ruas e vê o resultado da revolução de V: o povo voltou à barbárie e ao primitivismo. A ponto daquela personagem, Helen, outrora rica, malvada e arrogante, se jogar pra cima dele e oferecer seu corpo pra ser salva. Finch a empurra de volta para os mendigos que a disputavam e vai embora sem rumo certo.
Esse é o fim da HQ V de Vingança. Esse é o preço do caos com liberdade, sem máscara, sem medo.

- No filme o povo veste a máscara do V e vai ordeiramente se levantar contra o governo... E A POLÍCIA NÃO REAGE! Mas o pior vem depois. Enquanto Evey faz todo aquele discurso pro Finch sobre V ser um mártir, sobre ser cada dos que morreu, eis que o povo tira as máscaras e quem aparece são justamente todos os personagens que morreram no filme. Tudo isso em meio à explosões que mais parecem fogos de artifício.
 Aí caiu a minha ficha completamente. Transformaram um tratado sobre anarquismo numa fábula comunista Sim, o V que lutava contra todo e qualquer regime da HQ e só acreditava no povo, virou um mártir do pensamento de esquerda, que defende que o indivíduo não é tão importante quanto todos. Ele não tem identidade por ser a representação viva de uma causa e sim por ser cada uma das pessoas que morreu, tornando-se assim um mártir do coletivo...quase um Che Guevara.

Isso, na minha opinião, é deturpar um personagem, um tema e uma história.Tá certo que o personagem V buscou inspiração no revolucionário Guy Fawkes, mas Alan Moore traçou um caminho diferente pra ele, po! Será que era tão difícil entender isso?


A obra V de Vingança é feita pra levar as pessoas à reflexão, a pensarem sobre escolhas e consequências que fazemos pra nós e pro nosso mundo. Se é melhor ter ordem com controle ou caos com liberdade. Pra isso, Moore se esmera em ressaltar o aspecto humano de todos os envolvidos, sejam fortes ou fracos, poderosos ou oprimidos.

O filme é de um maniqueísmo constrangedor. Nele ser conservador é mau e ser liberal é bom! O governo é diabólico e o povo é bonzinho! Parece que foi feito pra ser exibido pra crianças de 7 anos! Mas como ele só mostra um lado, agradou em cheio liberais e conquistou o ódio dos conservadores.
Só esqueceram de uma coisa. O verdadeiro V de Vingança não é pra uns e outros, é pra todos.

O verdadeiro V de Vingança fala às pessoas que quer que elas pensem por si mesmas e repudiem qualquer pessoa ou grupo que tente fazer suas cabeças. ESSA É A SUA ESSÊNCIA! Ao dizer as pessoas o que é certo e o que é errado o filme se transformou em TUDO AQUILO QUE A HQ COMBATE!
 



8 comentários:

Renver disse...

Ótimo post, mas voltarei aqui quando terminar de ler a HQ.

mas uma coisa que eu percebi:

- a HQ é sobre pessoas e como elas vivem num regime facista.

- o filme é sobre um regime facista que vai ser derrubado por um terrorista idealista.

O resto ainda não acho o filme tão ruim, é como se fosse uma história alternativa daquela realidade. Ou pense assim Corto, Alan Moore é tão bom que mesmo suas obras sendo porcamente adaptdas foram bons filçmes. Pronto só isso.

Renver disse...

é uma pena um post tão da hora e pesquisado ter poucos comentários

Está nos meus planos fazer um post sobre V... mas tenho que terminar de ler a HQ (to lendo aos poucos e sem pressa) e rever o filme

vou depois pegar o link do seu post.

Shaka disse...

Cara, post PERFEITO!! Não tem como tirar seus méritos.
Mas preciso dizer q ainda assim achei o filme ótimo. Claro que foi errado tudo o que fizeram, mas como disse o Renver acima, é como se fosse outra realidade, contrária àquela criada por Alan Moore.

Eu pensei no filme como um todo, abstraindo o fato de ser uma adaptação (eu sei, eu teria que levar isso em conta rs)...mas foi justamente pra ver esse outro lado. E te digo uma coisa. Quando o filme terminou eu tive a mesma vontade de sair pra rua e protestar contra qualquer coisa errada/imposta quanto quando acabei de ler a HQ.

Mas TUDO que vc falou está corretíssimo, ideologicamente falando de uma adaptação.
Parabéns cara, este é um dos melhores textos que já li (tanto a HQ como seu review comparativo).

Abraços.

DamienX disse...

Porraaaaaa hahuauhauha... esse Blog/Blogueiro é dos meus! Sua critica ácida de tudo o que escreve. Não que seu ponto de vista, ácido, seja sem fundamento, muito pelo contrário! Por isso tudo fica mais legal. Li a critica do V de Vingança e pelo título, que li na comunidade do Orkut, pensei: "que bosta estão falando do filme?" uhahuahu... Bosta foi eu achar que isso era exemplo de idealismo. Uma época sofri uma depressão e comecei a pensar como o filme traduz, ou pelo menos achava isso. Na época de eleições pedia pro povo não votar em ninguem pra ver os caras se matarem por gastar milhoes (indevidos) em campanhas de governo! O pior é ver um presidente, ainda em seu mandato, sair por aí palpitando em quem o povo deve votar. E o mais bonito é ver o povo caindo na dele ena deles! Meu... quero que se f* as olimpiadas e Copa 2014! Gosto do meu país, na verdade nem tanto, pois algumas pessoas me fazem detesta-lo muitas vezes... porém o que vai acontecer é que o povão vai se vangloriar de todos esse vindouros eventos... Vão esquecer de qualquer pequena e grande merda que esteja acontecendo sói pra ir ver um jogo de futebol... Ué... por que será que Copa... coincide com eleição presidencial? Por que? Por que será que o povo curte um BBB? Adora bisbilhotar a vida alheia? Ou..Pq o que é do outro lhe parece mais gostoso tomar conta?

Meu... huahuauha... isso é papo pra mais de hora... mas... com tudo o que já passei na dpressão que sofri... tentando fazer a diferença pras pessoas ao meu redor... eu até pensei em comprar a vestimenta do V e até liguei pra uns jornalistas... para impor minhas ideias... mas daí me botaram no psiquiatra e psicologo uhauhauhahua... mas o V está dormindo em mim... embora eu não tenha entendido tão bem assim o ideal da história... Tenho um dos livros emprestado de um amigo... mas estou terminando Operação Valkiria do Jesus Hernandez... enfim... Se alguém quiser confabular comigo... pra tirar as minhocas e teias de aranha do povo... que se sujeitam a uma lavagem cerebral interna! Ou seja, vamos acorda-los para a vida e fazer com que pensem por si mesmo... "Não adianta dar sustento ao povo, se este não tem um pensamento livre para poder sobreviver por si só..."

Bom... enfim... para confabulações mais sérias, ou apenas para um bom papo rodrigocarracedo@yahoo.com.br ou damien_x@hotmail.com (msn)

V disse...

Hm, who dares to take my ideas and change they the way it want it? I mean, there's someone who writes everything in brazilian portuguese in a wordpress's blog called arevolucaodoshumanos.wordpress.com I don't know, maybe it wants to create freedom with chaos, that would be interesting!

Well, really nice CLIMAX's blog you people have here.

KEEP WALKING disse...

Bom dia!
Para começar, eu assisti somente o filme e afirmo que gostei muito! Mas, depois que li este tópico confesso irei adquirir os HQ´s, não sou "muito fã" das histórias de quadrinhos que viram filme, sempre há distorções! Bem, fica aqui meus parabéns ao criador do post, e voltarei a comentar assim que tiver lifo os HQ´s!
Até breve!

Renver disse...

Voltando ao assunto (visto que estou começando minha resenha sobre a HQ):


*
"Helen, que traía o marido Conrad com um dos homens do Dedo, Ally"

Ally ou Alistair Harper, é na verdade um gangaster escocês que virou aliado de Creedy. na ausência de força policial, ele serviu aos propósitos de Creedy e deposid e Helen.

*
"Dra Délia Surridge (legista)"

No filme V injeta veneno nela dormindo, como na HQ, provavelmente ele não mostra o rosto pra ela (no filme)

*
"A carta da Valerie virou uma coisa odiosa, tamanha a mudança".

Ai concordo, fizeram uma mudança babaca e desnecessária. Citaram umas 3x a palavra integridade, que não necessariamente se aplcia ao contexto da carta.

-----------

Aguarde minha resenha, e vou linkar seu post nela.

quem quiser ver/entender boa parte das referências da HQ veja esse link:

http://www.mortesubita.org/miscelania/textos-diversos/v-de-vinganca-guia-de-referencias

Hique disse...

Li a HQ beeem depois de ver o filme (não, não sou um moleque criado a leite com Pera) e confesso que levei um 'soco no bucho'.

A história é bem visceral e honesta em sua mensagem. Muito boa a postagem, cara.

Postar um comentário

Todos os comentários e críticas são bem vindos desde que acompanhados do devido bom senso.